Currículo, aprendizagens e avaliação externa na disciplina de Geografia
: (des)articulações

  • Berta Salomé de Vilar Cardoso (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

A avaliação externa assume na vida de docentes e discentes um papel central. Para uns e outros é inegável a pressão que exercem, condicionando, como tal, muito do que é a sua ação. Gerir um currículo e promover aprendizagens significativas, tendo a avaliação externa presente pode constituir um desafio, quando as articulações parecem muito débeis. De facto, a sociedade exige instrumentos promotores de justiça e equidade e a avaliação externa parece responder a essa exigência. Contudo, quando currículo, aprendizagens e exames parecem não estar alinhados, essa justiça e equidade podem e devem ser questionadas. Procurando as (des)articulações, desenvolvemos esta investigação analisando exames nacionais de Geografia A e o programa específico da disciplina, à luz da taxonomia de Bloom. Analisamos os exames nacionais de Geografia A aplicados entre 2012 e 2018, que nos pareceu uma amostra representativa e que permitia a aferição de (in)congruências. Identificamos processos cognitivos e domínios do conhecimento avaliados nos exames e confrontamos com os processos cognitivos ativados, a partir das aprendizagens esperadas de acordo com o programa da disciplina. Dos resultados obtidos, percebemos que os verbos recordar, compreender e analisar foram os mais frequentes no que aos processos cognitivos respeita, enquanto que as dimensões de conhecimento se situaram nos domínios factual e concetual.
Data do prémio11 nov. 2020
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorIlídia Cabral (Supervisor) & José Matias Alves (Co-Orientador)

Keywords

  • Exames nacionais
  • Taxonomia de Bloom
  • Geografia

Designação

  • Mestrado em Ciências da Educação

Citação

'