Morte e imortalidade segundo São Cipriano de Cartago
: uma leitura atualizante do Tratado De Mortalitate

  • Celestino da Costa (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

A experiência e o medo da morte foram sempre motivo de reflexão. Mas passarama sê-lo ainda mais em contexto cristão, depois que a fé em Cristo conferiu à morte corporalum novo significado. Os cristãos das primeiras comunidades eram vistos como aquelesque não tinham medo de morrer, isto porque a morte deixou de estar “diante deles”, mas“atrás”, isto é, no batismo. Desde então, para o batizado, foi a vida que passou a estardiante dele.Para averiguarmos esta tese, tomámos como fonte do nosso estudo a obra de SãoCipriano de Cartago intitulada De mortalitate. Desenvolveremos a reflexão em três momentos: no primeiro, falaremos do contexto que levou São Cipriano a redigir essa obra e a abordar o tema da morte. Numa segunda parte, refletiremos sobre a resposta do bispo de Cartago à crise provocada pela “mortalidade” pessoal e social. Num terceiro momento, refletiremos sobre a atualidade da teologia da morte de S. Cipriano tendo em conta a resposta que a Igreja deu à “peste” do século XXI provocada pelo Covid 19.
Data do prémio11 mai. 2021
Idioma originalEnglish
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorIsidro Lamelas (Supervisor)

Keywords

  • Cipriano
  • Peste
  • Morte
  • Imortalidade
  • Medo
  • Batismo

Designação

  • Mestrado Integrado em Teologia

Citação

'