O “novo” modelo organizativo dos serviços de saúde para atendimento de crianças e jovens e risco psicossocial
: a perspetiva do Serviço Social

  • Arminda Augusta Oliveira Ribeiro (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

Este estudo teve por objetivo compreender as implicações da reorganização dofuncionamento dos serviços de saúde prestados a crianças e jovens em risco psicossocial no papel e na prática profissional do assistente social.Foi realizado um estudo exploratório descritivo de natureza qualitativa. Arecolha de dados resultou da aplicação de uma entrevista semi-estruturada a oitoprofissionais de Serviço Social que trabalham em unidades públicas de saúde.De acordo com os dados apurados, constatamos que os assistentes sociais têmum conhecimento mais teórico do que prático sobre a nova proposta de trabalhoimplementada nos serviços de saúde, uma vez que esta não se encontra em plenofuncionamento. No entanto, apresentaram uma opinião favorável de que tenderá para auniformização de procedimentos. Os assistentes sociais vêem-se como executores de funções transversais a todas as áreas de intervenção do Serviço Social, pois estão aptos para desenvolver processos de intervenção social assentes em competências como a articulação, a negociação, a mediação e a interação intrainstitucional com os membros da equipa e os sujeitos da ação e, a nível interinstitucional, com os serviços dacomunidade.A operacionalização do trabalho em equipa intrainstitucional realiza-se de modoformal, através de pedido de colaboração e, na articulação interinstitucional, mediante oencaminhamento e o envio de ofício acompanhado de informação ou relatório social. É, portanto, uma prática multidisciplinar e interdisciplinar, que objetiva a prevenção primária e secundária com as entidades do mesmo nível de intervenção, sendo que, na prevenção terciária, o assistente social procede, no âmbito da articulação funcional, àsinalização para as Comissões de Proteção às Crianças e Jovens em Risco (CPCJ) e, emúltima instância, para os Tribunais. Com a realização desta investigação, concluímos que a nova proposta detrabalho introduzida nos serviços de saúde prestados a crianças e jovens em riscopsicossocial é um processo cuja implementação ainda necessita da efetiva superação doparadigma tradicional de intervenção do Serviço Social que norteia as práticas,requerendo um modelo de intervenção em rede, no qual esta assente na articulação, nacooperação e na parceria.
Data do prémio2011
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorPaula Cristina Martins (Supervisor)

Keywords

  • Crianças e jovens em risco psicossocial
  • Sistema de saúde
  • Serviço social

Designação

  • Mestrado em Serviço Social

Citação

'