Obesidade e síndrome metabólica
: será pertinente a sua definição em idade pediátrica?

  • Lúcia de Fátima Teixeira Coutinho (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

A obesidade infantil é considerada uma epidemia a nível mundial que gera repercussões graves, não só pela possibilidade de manutenção desta condição até a idade adulta, mas também por aumentar o risco precoce de complicações metabólicas associadas ao excesso de gordura corporal, nomeadamente, a síndrome metabólica (SM). Assim sendo, a obesidade funciona como um fator preditivo para alterações a nível metabólico, incluindo hipertensão arterial, dislipidemia e resistência à insulina, que por sua vez origina um aumento do risco de doença cardiovascular (DCV). A definição de SM não é consensual em idade adulta, muito menos em idade pediátrica. Às limitações da definição para a idade adulta, em idade pediátrica acresce a elevada variabilidade dos parâmetros somáticos e bioquímicos que integram a definição de SM. Na verdade, a idade cronológica, a maturidade biológica, o sexo e os fatores precoces tais como o peso ao nascimento e o padrão de crescimento são determinantes para a sua definição de risco, particularmente numa situação de obesidade. A prevalência de SM tem aumentado paralelamente com a obesidade, mas será provavelmente mais assertivo identificar indivíduos de risco cardiometabólico do que ter a preocupação de caracterizar a presença da síndroma em si. A autora, com o presente trabalho pretende apresentar a dificuldade de diagnóstico de SM em idade pediátrica e sugerir uma maior atenção para outros fatores que não o da definição clássica de SM, que poderão resultar em um maior risco individual de doença cardiovascular.
Data do prémio15 jul 2022
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorCarla Rêgo (Supervisor)

Keywords

  • Obesidade
  • Síndrome metabólico
  • Crianças e adolescentes
  • Fatores de risco cardiometabólico

Designação

  • Mestrado em Biotecnologia e Inovação

Citação

'