Percepção de contágio associado à obesidade em crianças de idade pré-escolar

  • Maria da Conceição Cavalheiro Martins (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

Face aos estereótipos negativos e comportamentos discriminatórios das crianças préescolares relativamente a outras crianças obesas e tendo como base as concepções de doença das crianças pequenas, procuramos com esta investigação analisar se as crianças em idade préescolar percepcionam outras crianças obesas como potenciais agentes de transmissão de malestar físico e se esta percepção é influenciada pelas diferentes formas de contágio (ingestão ou contacto físico) e pela idade (4 ou 5 anos de idade). Foi estudada uma amostra de 64 crianças de ambos os sexos com 4 e 5 anos de idade que frequentavam no ano lectivo de 2008/2009 duas instituições de ensino pré-escolar da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos. Para avaliar a associação de contágio às crianças obesas foram narradas às crianças histórias ilustradas com fotografias e figuras. Os resultados obtidos demonstraram que as crianças obesas são mais frequentemente consideradas uma fonte de transmissão de mal-estar físico do que outras fontes de contágio e que essa associação de contágio é tão frequente quando os estímulos envolviam a ingestão como o contacto físico. A hipótese de haver maior associação de contágio relativamente às crianças obesas nas crianças com 5 anos não foi confirmada. Estes resultados apoiam a perspectiva de que os conceitos de contágio e contaminação das crianças pré-escolares proporcionam uma base explicativa para os estereótipos negativos e discriminação dos obesos já na infância.
Data do prémio24 fev. 2010
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorEduarda Maria Pimentel Marques Rodrigues (Supervisor)

Keywords

  • Crianças de idade pré-escolar
  • Obesidade
  • Estereótipos
  • Preconceito
  • Discriminação
  • Contágio

Designação

  • Mestrado em Psicologia

Citação

'