Perfis de autocuidado e adesão ao regime medicamentoso em idosos de centros de dia da cidade do Porto

  • Cláudia Cristina dos Santos Ferreira (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

O envelhecimento demográfico e consequente aumento da procura de respostas sociais de apoio aos idosos foi a premissa de partida para esta pesquisa. Atendendo às vulnerabilidades individuais dos idosos que frequentam Centros de Dia e focando-nos nas respostas humanas potencialmente sensíveis aos cuidados de Enfermagem, mais concretamente o autocuidado e a capacidade funcional para gerir o regime medicamentoso, realizou-se um estudo, observacional, transversal e descritivo, com pessoas com 65 ou mais anos, inscritas em Centros de Dia da Cidade do Porto, tendo por objetivos caraterizar os perfis de autocuidado prevalentes, o fenómeno da adesão ao regime medicamentoso e averiguar a existência de relações entre ambos que potenciassem no futuro, a concretização de prescrições de Enfermagem. Os 60 idosos que participaram revelam uma amostra muito envelhecida, pouco escolarizada, com baixo apoio social e com sinais de declínio cognitivo. Foi possível identificar vários fatores de vulnerabilidade face à gestão do regime medicamentoso, alimentada por fenómenos como a forte prevalência de polimedicação, a complexidade do regime prescrito, a existência de prescrições inadequadas para os idosos, o declínio funcional ao nível da mobilidade e da cognição que exige a presença de cuidadores, e a falta de recursos económicos para adquirir os fármacos. Relativamente aos perfis, para além da maior prevalência do perfil “indefinido”, de certa forma expectável, constata-se que o único a evidenciar-se foi o perfil “formalmente guiado”, caraterístico das pessoas resignadas ao declínio funcional associado ao envelhecimento e que depositam nos outros as decisões sobre o seu autocuidado. Talvez por isso o fenómeno da não adesão ao regime medicamentoso, entendido como um comportamento intencional de não tomar os medicamentos conforme a prescrição médica, raramente tenha sido observado, uma vez que a maioria já delegou nos familiares ou cuidadores dos Centros de Dia a decisão de gerir a medicação. Face ao exposto, considerando os tempos de inúmeras mudanças sociais e reformas político-económicas, torna-se fundamental uma transição da assistência em saúde para a comunidade. Acredita-se que os Enfermeiros terão um papel crucial na promoção do autocuidado, aumentando a independência e responsabilidade individual destas populações de idosos. É necessário, por isso, continuar os estudos para delinear o perfil funcional destas pessoas e definir o potencial terapêutico da Enfermagem em função das transições vivenciadas.
Data do prémio6 dez. 2018
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorLuís Sá (Supervisor) & Armando Almeida (Co-Orientador)

Keywords

  • Idosos
  • Autocuidado
  • Perfis de Autocuidado
  • Gestão do regime medicamentoso
  • Adesão ao regime medicamentoso

Designação

  • Mestrado em Enfermagem

Citação

'