Relação entre as atitudes perante os papéis de género, o sexismo ambivalente e a felicidade na população adulta portuguesa

  • Letícia Diana da Costa Oliveira (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

Nos dias atuais ainda existem desigualdades fundamentais entre mulheres e homens na política, na saúde, no trabalho e na vida pessoal. A perceção destas desigualdades relacionadas com a felicidade têm sido foco de investigação devido à maior atenção e relevo que estes temas têm obtido nos últimos tempos. Pouco se sabe sobre as consequências do confronto entre sexismo e a felicidade das mulheres. Embora o mundo se tenha tornado mais igualitário em termos de género, as relações desiguais de género e a divisão do trabalho ainda persistem em muitas sociedades. Assim sendo, o presente estudo tem como principal objetivo analisar a relação entre as atitudes perante os papéis de género, o sexismo ambivalente e a felicidade, na população portuguesa adulta. Foi utilizada uma abordagem metodológica quantitativa de natureza descritivocorrelacional e foram utilizados os seguintes instrumentos: Questionário Sociodemográfico, Escala de Felicidade Subjetiva, Escala de Atitudes Pacificas relativamente ao Género e o Inventário de Sexismo Ambivalente. A amostra foi constituída por 244 adultos de nacionalidade portuguesa com idades entre os 18 anos e 64 anos, tendo uma média de idades de 28.1 (DP=8.1), na generalidade solteiros (77.9%), no que toca à escolaridade, a maioria tem o ensino secundário (78.3%) e a maioria dos participantes é do sexo feminino (79.1%). Nos resultados verificou-se uma correlação estatisticamente significativa entre a Felicidade Subjetiva e o Sexismo Hostil (r= .172, p= .007), indicando que níveis mais elevados de Felicidade Subjetiva estão relacionados a atitudes mais hostis em relação ao género. Existe uma correlação estatisticamente significativa positiva entre a Felicidade subjetiva e o género da população adulta portuguesa (r= .152, p= .017) ou seja, os homens tendem a relatar níveis mais altos de felicidade subjetiva em comparação com as mulheres. Ademais, encontrou-se também uma correlação estatisticamente significativa negativa entre o género e a Divisão Tradicional (r= -.260 p= < .001) indicando que os participantes do género feminino tendem a ter atitudes mais tradicionais em relação aos papéis de género do que os participantes do género masculino. Estes resultados destacam a importância de perceber o que está associado à persistência de atitudes sexistas e destaca a necessidade contínua de educação e sensibilização sobre as questões de género.
Data do prémio18 mar. 2024
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorArmanda Gonçalves (Supervisor)

Keywords

  • Género
  • Papéis de género
  • Sexismo ambivalente
  • Felicidade

Designação

  • Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde

Citação

'