Taxa de sucesso a 5 anos de próteses fixas adesivas
: revisão sistemática com meta-análise

  • Maria Catarina Marques dos Santos (Aluno)

Tese do aluno

Resumo

Introdução: o objetivo desta investigação foi avaliar as taxas de sucesso e/ou
sobrevivência das próteses fixas adesivas, reportadas na literatura científica publicada, com um tempo médio de observação mínimo de cinco anos e considerando a localização da prótese, o número de pônticos e retentores, o tipo de cimento utilizado, o desenho da prótese, assim como o tipo de preparação nos dentes pilares. Metodologia: revisão sistemática com meta-análise baseada nas normas PRISMA com a questão de investigação PICOT: “Numa população parcialmente desdentada (P) a realização de próteses parciais fixas adesivas (I), comparando com as próteses parciais fixas convencionais (C), apresentam resultados clínicos superiores (O) num follow-up mínimo de 5 anos (T)?” Pesquisa efetuada nas bases de dados Pubmed®, Web of Science® e Cochrane® em formato de texto livre e termos MESH, até maio de 2021. Protocolo registado no PROSPERO (CRD42021236749). Para a meta-análise
foi usado o modelo de efeitos aleatórios, para a taxa de sobrevivência estimada,
percentagem por ano da estimativa de falha e para as complicações existentes. A heterogeneidade dos estudos foi avaliada pelo teste de inconsistência (I2) e a
qualidade dos estudos pela escala de Downs & Black. Resultados: a estratégia de pesquisa definida permitiu incluir no final 11 artigos, com um total de 687 participantes e 783 próteses parciais fixas adesivas, com um tempo médio de observação de 8,2 anos, com taxas de sucesso mencionadas em três artigos
e de sobrevivência reportadas em nove artigos. Foram reportadas 142 falhas num total de 783 próteses, sendo a mais frequente a descimentação. A taxa de falha estimada (%/ano) foi estimada entre os 0,53%/ano – 5,10%/ano. Os estudos apresentaram nível de qualidade suficiente. Na meta-análise, as taxas de sobrevivência mostraram um resultado significativo (p<0,001), uma heterogeneidade moderada (I2 = 58,76%). Conclusão: dentro das limitações do nosso estudo, sobretudo relacionadas com a heterogeneidade dos estudos e com a qualidade dos mesmos, parece ser possível concluir que as RBFPDs são uma opção clínica viável para a reabilitação de pacientes com desdentações unitárias, particularmente aquando da utilização de um retentor e de prótese confecionadas em zircónia-cerâmica.
Data do prémio23 jul 2021
Idioma originalPortuguese
Instituição de premiação
  • Universidade Católica Portuguesa
SupervisorA Correia (Supervisor) & Luís Azevedo (Co-Orientador)

Keywords

  • Prótese adesiva
  • Ponte de Maryland
  • Prótese parcial fixa aderida com resina

Designação

  • Mestrado em Medicina Dentária

Citação

'